olemenews.com

Saúde

Saúde: eliminar as hepatites virais até 2030

Share
Cúpula do Senado fica amarela para alertar sobre hepatite

A iniciativa faz parte das ações do Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, celebrado 28 de julho em todo o país. A doença viral do tipo C é a mais comum e é meta da OMS (Organização Mundial da Saúde) erradicá-la até 2030. "O resultado é imediato e assim você garante sua saúde e a dos outros também". A ação, promovida pela Secretaria de Estado da Saúde, faz parte da campanha Julho Amarelo para prevenir e conscientizar a população sobre as hepatites virais.

De acordo com a coordenadora da Vigilância Epidemiológica Municipal, Sandra Gomes, o Ministério da Saúde estima que existam 1,7 milhão de brasileiros portadores do vírus da Hepatite C e 756 mil portadores do vírus da Hepatite B. O uso de preservativo em todas as relações sexuais para a prevenção das hepatites é fundamental. Naquela época, as unidades de hemoterapia não realizavam teste para hepatite C.

A hepatite é uma inflamação no fígado que pode ser causada por diferentes vírus, uso de remédios e drogas injetáveis, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. Em um número mais reduzido estão os usuários de drogas injetáveis. Já os casos de hepatite B, aumentaram 3,7%, no mesmo período. "Já em relação à hepatite B, o perfil que atendemos são pessoas acima de 30 anos que não foram vacinadas, que contraíram o vírus por via sexual ou então por transmissão materno-fetal", explicou a médica infectologista Rosileide Alves, especialista no tratamento de pacientes com hepatites no Helvio Auto. É um tratamento muito mais suave e simples, praticamente sem efeitos colaterais, com dois comprimidos ao dia e duração de tratamento de uma média de 12 semanas. "É importante lembrar que as hepatites virais não se pegam utilizando objetos como copos e talheres, só são transmitidas se a pessoa entrar em contato direto com o sangue ou secreções de quem tem o vírus, e mais importante de tudo é lembrar que com o tratamento tem cura, por isso a importância da realização do teste", enfatizou a infectologista do HEHA, Rosileide Alves.

Share