olemenews.com

Global

"Vai ou não demitir os ministros?" — Cristas questiona Costa

Share
MANUEL DE ALMEIDA  LUSA

(.) E mais: "é muito triste ver uma oposição que nada tem a dizer sobre a ação do governo nem sobre os resultados do sucesso da ação do Governo, para ter de descer ao nível de por em causa os agentes da Proteção Civil [a propósito de Pedrógão Grande] e das Forças Armadas".

"Entendemos na altura que estavam fragilizados e não tinham condições para continuar".

A líder do CDS-PP falava aos jornalistas à entrada para uma reunião nos bombeiros de Figueiró dos Vinhos (Leiria) com a corporação local e com as corporações de Pedrógão Grande e de Castanheira de Pera. "Vimos uma total descoordenação e um Governo inapto".

Afinal tudo era sucata, afinal não havia problema de maior em Tancos. "Pela sua lógica daqui a pouco estamos a agradecer terem levado o material roubado". "Obviamente, não demito nenhum ministro", respondeu o primeiro-ministro, no debate do Estado da Nação, esta quarta-feira, no Parlamento.

"Garante-nos que as armas não podem ir parar a redes de criminalidade transnacional organizada que ameaçam a vida das nossas sociedades? Garante-nos que não há qualquer potencial de morte e de destruição, em Portugal ou fora?", perguntou.

Cristas prometeu, por cada "ponto final" trazido pelo primeiro-ministro, trazer "reticências e pontos de interrogação", e "muita exclamação e muita indignação". "Quem falhou tanto há um ano não tem responsabilidade para dizer o que quer que seja". A inação e ligeireza do ministro da Defesa Nacional e testemunhámos a ausência política do PM. "Quando a conversa não interessa o senhor desaparece de circulação".

A líder do CDS acusou ainda Costa de "mergulhar e esperar que a onda passe" sempre que a situação é mais difícil.

No arranque deste debate, na sua primeira intervenção, António Costa anunciou que amanhã, quinta-feira, vai apresentar os nomes dos novos secretários de Estado ao Presidente da República e que vai ser criada uma secretaria de Estado para a Habitação que até agora estava sob a tutela do Ministério do Ambiente, sob as ordens do secretário de Estado adjunto do Ambiente, José Mendes.

A líder do CDS-PP acusou o Governo de ter feito cativações orçamentais precisamente na defesa e também noutros setores.

Na resposta, António Costa afirmou ainda ser sua a responsabilidade o que os ministros fazem e criticou a líder do CDS/PP por usar as forças armadas como arma de arremesso político.

Share