olemenews.com

Global

Temer viajou em jatinho particular da JBS

Share
Lula Marques  Agência PT

Na noite de terça-feira (6), quando foram publicadas as primeiras informações de que o presidente e sua família teriam viajado a Comandatuba no avião particular de Joesley, o Planalto negou que Temer tenha sequer ido a Comandatuba naquela mês. Hoje, o Planalto divulgou outra nota, confirmando a viagem num jatinho particular, mas dizendo que o presidente Michel Temer não sabia a quem pertencia.

A versão do dono da JBS contradiz a nota divulgada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, segundo a qual Temer não sabia quem era o proprietário da aeronave usada para levá-los ao interior da Bahia.

O uso de um avião da JBS, revelado na delação do empresário Joesley Batista, e a forma como a notícia foi tratada no governo foi considerado um agravante da situação do presidente por auxiliares do Planalto.

A viagem não foi registrada em agenda oficial.

O diário de bordo, com o registro das viagens do avião particular de Joesley Batista, prefixo PR JBS, foi entregue pelo empresário ao investigadores da Lava Jato como prova que confirma o que ele disse em delação premiada: que tinha relação próxima com Temer desde 2010.

No relato à PGR, Joesley diz ter enviado o agrado para enfeitar a aeronave.

Mais estranho ainda é que o piloto, temendo que o vice-presidente ficasse com ciúmes do patrão, que era solteiro - afinal, a Carne é Fraca! Uma das viagens do casal foi entre Comandatuba, na Bahia, e São Paulo. O diário de bordo do jatinho será incluído nas investigações contra o presidente. Na ocasião, ele teria passado a atender a pedidos de contribuições financeiras e favores do então vice-presidente. Ele foi no mês de abril para compromisso com o grupo LIDE e utilizou aeronave da FAB para seu deslocamento. O Planalto havia afirmado que o então vice-presidente, há seis anos, usou aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) para viajar com a família para Comandatuba e Porto Alegre. Temer é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de corrupção passiva, integrar organização criminosa e obstrução de Justiça.

Share